O Engenheiros Sem Fronteiras Brasil (ESF-Brasil) faz parte da rede internacional Engineers Without Borders International (EWB-I). Essa rede surgiu na década de 80, na França e, em 2020, contabilizou mais de 100 países de atuação. 

O ESF-Brasil é membro sênior do EWB-I desde 2016 e, em 2020, teve uma representante eleita para fazer parte do Conselho Diretor do EWB-I, um cargo de funções deliberativas por três anos. Como parte de suas responsabilidades, está participar de grupos de trabalho que se mobilizem pelo desenvolvimento de uma engenharia pela sociedade, a nível mundial.


Contexto

Em 2020, a Aliança Internacional de Engenharia estava em revisão dos Atributos de Graduação e Competência Profissional de Engenharia que define propostas a nível internacional a serem seguidas pelos conselhos nacionais de engenharia. Apesar de dar passos importantes para enfrentar os desafios do século XXI, a nova revisão ainda pecava na autocrítica sobre o papel da engenharia na sociedade.

Por isso, membros do movimento Engenheiros Sem Fronteiras Internacional (Engineers Without Borders – International) escreveram uma carta aberta em manifesto para a Aliança Internacional de Engenharia com intuito de contribuir para a revisão do documento.  


Países participantes

O grupo de trabalho começou no segundo semestre de 2020 e contou com a participação de representantes dos membros associados (apresentado alfabeticamente): Austrália, Brasil, Canadá, Índia, Holanda, Filipinas, Reino Unido e Estados Unidos, liderados pela representante do Reino Unido, Katie Creswell-Maynard, quem trouxe a demanda para ser discutida com o grupo. A nossa representante no EWB-I, Fernanda Deister, conta como foi participar desse grupo:

“Foi muito proveitoso discutir as atribuições e responsabilidades da engenharia com pessoas de diferentes países e contextos. O mais interessante foi ver como o movimento EWB está alinhado ao que concerne à nossa responsabilidade como engenheiros e engenheiras de ir além do conhecimento técnico e impactar socialmente

A carta foi escrita originalmente em inglês e traduzida para português, espanhol e francês. Todas as versões podem ser consultadas no site do EWB.


Conteúdo da carta aberta

Ao longo da carta a questão social e ambiental são colocadas em relevância para a construção de um planeta capaz de suportar as demandas das próximas gerações. Para isso, é necessário pensar criticamente sobre o papel que a engenharia tem na sociedade:

“Pensar criticamente sobre a engenharia inclui a capacidade de vê-la como potencialmente parte do problema. Como a prática que sustenta os processos de construção, produção e uso de energia, fornecimento de alimentos e água, transporte, comunicações e exploração espacial, para citar apenas alguns, a engenharia desempenha um papel fundamental em nossas vidas diárias e em nosso futuro. Embora tenha resultado em avanços incríveis para nosso conforto, saúde e segurança, também desempenhou um papel fundamental em nos levar às práticas injustas e insustentáveis que dominam o mundo hoje.”

Para corrigir esses problemas, acredita-se na importância de dar ênfase em um pensamento crítico no papel da própria profissão, maior compreensão das questões éticas inerentes aos serviços de engenharia e o reconhecimento da importância das ciências humanas na engenharia para ajudar os profissionais a resolverem problemas complexos envolvendo pessoas e o planeta.

Por fim, a carta é encerrada com uma proposta de colaboração entre o EWB e a Aliança Internacional de Engenharia, uma vez que a rede de organizações vem há mais de 40 anos desenvolvendo profissionais de engenharia sensibilizados com as causas socioambientais.

Para ler a carta na íntegra acesse: http://www.ewb-international.org/activities/educacao-em-engenharia-wfeo/


Referência da foto de capa: Coffee photo created by rawpixel.com

Acompanhe nas redes

Relatório de Impacto 2019: clique aqui


Contato:contato@esf-brasil.org